EXPOSIÇÃO

“Nada muda de forma como as nuvens, a não ser os rochedos.”

A frase de Victor Hugo que dá nome à exposição fala de tempo, leveza, peso, matéria, transformação e poesia. Nuvens e rochas funcionam como espelho mútuo, em tempos diferentes. A matéria não é o que se vê a olho nu, pois ela é uma sucessão de lentos eventos que a foram deixando naquele estado.

Entre artistas convidados e propostas apresentadas na open call, a exposição reúne trabalhos que partiram da ideia de matéria: como matéria-prima ou matéria na sua vertente mais poética e plástica – para revelar, divergir ou explorar o tema.

São fotografias que falam de um tempo pré-histórico, mas que é também presente, instalações feitas com e a partir de materiais da indústria, desenhos com rochas e desenhos com petróleo, pinturas planas que são estudos de cores e possibilidades de composição ou pinturas figurativas com temas naturalistas de um Portugal pré-industrial, esculturas de mármore e esculturas de cimento, textos performativos sobre construir casas e relações e textos sobre a condição de ser criador.

HORÁRIO – 14 a 23 de Junho
– Público Geral
15, 16, 20, 22 e 23 de Junho das 15h às 20h 
17 a 21 de Junho das 17h às 20h
– Serviço Educativo
17, 18, 19 e 21 de Junho das 09h30 às 16h

14 e 15 de Junho aberta 24 horas para performance: «24H FIRST BREATH AFTER COMA»

MORADA
Edifício EDP, Rua de Tomar, Leiria (maps)

Sexta, 14 Junho

19H00 ABERTURA OFICIAL 

INAUGURAÇÃO DA EXPOSIÇÃO: «Nada muda de forma como as nuvens a não ser os rochedos.»

19H30 PERFORMANCE SONORA

«24H FIRST BREATH AFTER COMA»

Artistas residentes da 5º edição da Porta, os First Breath After Coma abrem o festival com uma performance duracional de 24h. Das 19h30 de sexta-feira 14 junho, às 19h30 de sábado 15 junho. Uma experiência imersiva para visitar, ficar, dormir, sair, voltar ou experimentar do princípio ao fim durante o número de horas que compõe um dia.

21H30 CONCERTO

CAPTAIN CASABLANCA

Casper Clausen é a voz de algumas das nossas bandas preferidas do momento, Efterklang e Liima, por exemplo. Mas é a solo, e como Captain Casablanca que o dinamarquês residente em Lisboa, se apresenta pela primeira vez em Leiria.

Sábado, 15 Junho

15H30 PERFORMANCE

«COLOR CHART: A MOVEMENT OF PERCEPTION»

DANIELA PINHEIRO

Num limbo entre a montagem do trabalho e a sua criação, esta peça é uma pintura composta por 21 módulos de amostras de cores que irão assumir diversas variações de composição.

18H00 INSTALAÇÃO/PERFORMANCE

«VÉNUS EM FÚRIAS»

PIZZ BUIN

«VÉNUS EM FÚRIAS» trata a condição do artista ao querer concretizar a sua obra: a precariedade dos meios, e a constante falta de solidariedade do entrepreneur cultural. Neste contexto, este projecto é a Vénus possível. Resulta de um processo de recolha e selecção de textos, emails e conversas entre as artistas sobre o seu extenso, disperso e variável projecto “Vénus”.

A partir desta selecção, Rubene Palma Ramos escreveu a peça Vénus em Fúrias, que as artistas interpretam numa acção performativa, na qual dialogam sobre a possibilidade e impossibilidade de materializar as suas Vénus.

Texto: Rubene Palma Ramos
Co-criação: Rubene Palma Ramos e Pizz Buin  (Irene Loureiro | Rosa Baptista | Sara Morgado Santos | Vanda Madureira )
Interpretação: Pizz Buin

19H00 PERFORMANCE

«DÉDALO»

URSO PARDO

Como se constrói uma casa? É esta a pergunta que dois actores e um autor ausente tentam responder. A casa é uma metáfora para a família, para o amor e para o auto-conhecimento, e as três personagens vivem a impossibilidade de alcançarem cada uma dessas três coisas em diferentes momentos da vida.

Dédalo é a segunda parte de uma trilogia de Miguel Graça que se iniciou em 2016 com Minotauro e terminará em 2018 com Ariadne. Os textos têm em comum, para além da relação com as figuras mitológicas, a ilusão de que não existe uma realidade efabulada, sendo o dispositivo dramático do aqui e agora o motor da acção, o que leva a uma (aparente) ausência de personagens e a uma mistura entre realidade e ficção.

Texto: Miguel Graça
Co-criação: Urso Pardo (David Esteves | Miguel Graça | Pedro Caeiro)
Interpretação: David Esteves | Pedro Caeiro
Produção: Maria Albergaria

Domingo, 16 Junho

14H30-17H30 CURSO

ESCRITA E IMAGINAÇÃO

GONÇALO M. TAVARES

O Festival A Porta junta-se à Livraria Arquivo para promover o Curso Escrita e Imaginação com o escritor português Gonçalo M. Tavares. Integrado na programação da Casa Plástica, o curso desenrola-se a partir dos livros “Breves notas sobre Literatura” e “O Senhor Valéry”.

Serão feitos exercícios práticos de aplicação de alguns conceitos, em redor da linguagem e da imaginação. Esta é uma oportunidade única de aprender e experimentar junto de um dos grandes nomes da literatura actual, que escreve em diferentes géneros literários, tendo as suas obras sido traduzidas em mais de 50 países.

O curso decorre a 16 junho das 14:30h às 17:30h, na Livraria Arquivo (maps) e tem o valor de participação de 25€

INSCRIÇÃO

16H00 CONCERTO/INSTALAÇÃO

HOW LONG IS NOW

ME AND MY BRIAN

Me and My Brain é um projeto leiriense de Nuno Dionísio e Rui Seiça, que se juntaram para criar melodias electrónicas viajantes. Me and My Brain é um espaço reservado, um espaço reservado para a cabeça, para ti e para mim.

Domingo, 23 Junho

16H00-17H30 VISITA EXPOSIÇÃO

Visita guiada pela exposição colectiva da Casa Plástica, “Nada muda de forma como as nuvens a não ser os rochedos.” para o público em geral.

SERVIÇO EDUCATIVO

O serviço educativo da CASA PLÁSTICA convida escolas (pré-escolar, 1º ciclo e 2º ciclo), séniores e utentes de instituições de solidariedade social para uma visita guiada pela exposição colectiva de artes plásticas do Festival A Porta.

A visita tem a a duração de 1h20 e culmina com uma oficina desenvolvida a partir dos processos criativos dos artistas e dos trabalhos expostos.

Estas visitas guiadas são gratuitas e funcionam entre os dias 17 e 21 de Junho das 10h às 16h30.

Apoio: Fundação Millennium BCP